COCC – COMPORTAMENTO OBSESSIVO COMPULSIVO CANINO




Desordens compulsivas em cães e gatos podem ser resultado directo de causa comportamentais e/ou médicas. Quadros de compulsividade, comportamentos inadequados induzidos por conflito e comportamentos condicionados e reforçados são algo a ter em consideração. No entanto, para se realmente poder chegar a um “diagnóstico” correcto, não só o historial tem que ser consistente com as desordens, mas também as razões médicas terão de ser descartadas, controladas ou resolvidas. É possível que uma prévia condição médica se desenvolva para um quadro de compulsividade ou que problemas médicos coexistam com problemas comportamentais.

Exemplos de comportamentos típicos de obsessividade-compulsividade canina incluem mas não estão limitados a:

EXEMPLOS DE COMPORTAMENTOS OBSESSIVO-COMPULSIVOS

MOTORES - Andar às voltas, perseguir a cauda, saltar no mesmo sítio, reflexo de perseguir luzes, agitação súbita
ORAIS - Mastigar patas, lamber (dermatoses), lamber o ar ou o nariz, chupar o flanco interior da coxa, arranhar, roer ou lamber objectos, comer papel, apanhar moscas inexistentes
AGRESSÃO - Agressão redireccionada ao próprio animal (por exemplo, rosnar à própria pata, atacar as patas traseiras, atacar a taça da comida, atacar objectos inanimados). Agressão imprevisível a pessoas?
VOCALIZAÇÃO - Ladrar constante e cadente, uivar persistente
“HALUCINAÇÃO” - Evitar objectos inanimados, fixar e perseguir sombras, assustar-se constantemente com “nada”

A obsessividade-compulsividade pode ser originada muitas vezes por conflitos ou frustração. Os conflitos ocorrem quando o animal é motivado a executar dois comportamentos opostos (tal como querer aproximar-se de alguém para cumprimentar e ter medo de ser castigado). A frustração refere-se a uma situação na qual o animal é motivado a executar um comportamento, mas impedido de o fazer (por exemplo alguém o incentiva a perseguir algo, mas ele está confinado por trás de uma barreira). A resposta do cão nestes casos poderá ser um comportamento inadequado, anormal ou fora de contexto como resposta ao estímulo (por exemplo começar a perseguir a cauda), ou redirecção do comportamento, onde a resposta é adequada ao estímulo mas direccionada a um alvo diferente (por exemplo agressão redireccionada). Quando o conflito, frustração ou reforço do comportomento persistir ou ocorrer regularmente, o comportamento pode tornar-se compulsivo.
Desordens obsessivo-compulsivas são aquelas cujo comportamento é exibido fora ou independentemente do contexto original e não têm um objectivo claro. Desordens de origem compulsiva podem ser repetitivas, exageradas, persistentes e tão intensas que podem ser muito difíceis de interromper.

Causas como detectá-las

Toda e qualquer causa médica deve ser imediatamente descartada, como tal um exame médico-veterinário deve ser executado incluindo análises ao sangue, análises à urina e um perfil bioquímico. Testes adicionais podem ser necessários com base nos sintomas para animais que exibam pica (comer papel) ou exames extras dermatológicos necessários para animais que se lambam até fazer um traumatismo. Doenças do metabolismo, neurológicas ou de disfunção dos órgãos podem estar na origem destes comportamentos.

Hiperkinesia embora rara pode ser também outra causa para comportamentos estereotipados ou compulsivos, e podem melhorar com tratamentos médicos adequados. Disfunção cognitiva pode também ser outra causa destes comportamentos. Em alguns casos, pode até ser aconselhável observar primeiro a resposta a um tratamento terapêutico de forma a eliminar causas médicas.

Irritações ou lesões da pele, tais como aquelas causadas por alergias, muitas vezes desencadeiam COCC. O stress associado à lesão ou irritação na pele pode contribuir para o desenvolvimento da COCC num animal já susceptível ao mesmo. Casos nos quais um cão começa a lamber suturas ou lesões, e depois começa a lamber outros locais do corpo causando irritações cutâneas. Atenção do dono pode reforçar comportamentos obsessivo-compulsivos, ou condicionar comportamentos conflituosos que levam a uma compulsividade. O cão que executa este comportamento apenas na presença do dono sugere que este é condicionado.

Tratamento

O tratamento usualmente consiste de modificação do ambiente e comportamento e usualmente com a administração simultânea de fármacos.

1. Se possível a causa do comportamento desse ser identificada e eliminada. Se não puder ser eliminada (por exemplo no caso de cães que desenvolvem estes comportamentos por causa de ansiedade por separação e os donos têm que continuar a ir trabalhar) um programa de desensitização ao stress e ansiedade causados pela partida dos donos deverá ser implementada.

2. Stress ambiental pode contribuir para um perpetuar da compulsividade. Como tal é indicado tentar diminuir o stress ambiental ao máximo. Uma situação stressante para o cão é aquela na qual o cão não tem controle e não consegue prever a consequência da mesma. Reforço positivo, na forma de comandos, comportamentos, recompensas deverão ser usados para substituir interacções humanas inconsistente e baseadas no castigo. Sessões curtas de obediência com recompensas contribuem para essa consistência e eliminação do stress. Exercício físico dado em quantidade suficiente e regular tende a diminuir o stress e uma grande quantidade de brinquedos que o cão possa brincar quando está só de forma a evitar o aborrecimento e também contribuem para construir uma estrutura saudável no dia a dia.

3. Na maioria dos casos, principalmente naqueles casos que já se desenvolvem á bastante tempo, o uso de medicamentos pode ser necessário (clomicalm, Novartis).

Referências e mais artigos

Comentários

Casa do Pinhal disse…
Excelentes artigos, Cláudia. parabéns e obrigada por partilhares.

Mensagens populares deste blogue

NÃO QUEIRA UM CÃO DE GUARDA Por Claudia Estanislau

5 mitos do cão "agressivo"

Estimulação Mental com a Amanda