5 mitos do cão "agressivo"

Comportamentos agressivos fazem parte do portefólio de comportamentos dos cães e são comportamentos completamente normais e naturais para a espécie. Este artigo pretende abordar 5 mitos que rodeiam a apresentação de comportamentos agressivos por parte dos cães

“O meu cão é agressivo” 

“Agressividade” não é uma característica da personalidade. O seu cão não é agressivo, ele apresenta, consoantes determinados estímulos, comportamentos considerados agressivos. Estes comportamentos são demonstrados em certas situações e noutras não. O seu cão pode demonstrar comportamentos agressivos direcionados a cães, mas ser muito sociável com pessoas. Todas estas variantes deveriam ser suficientes para entendermos que comportamentos agressivos não fazem parte da personalidade de um cão. Ele não nasceu assim, ele começou a demonstrar comportamentos agressivos simplesmente porque a sua experiência e aprendizagem de alguma forma o levou a apresentar esses comportamentos em determinados contextos.

“O meu cão é mau” 

Maldade e bondade são conceitos humanos que implicam uma moralidade que, inclusive na nossa espécie varia. A subjetividade do conceito está longe do mundo dos cães. A exibição de comportamentos agressivos servem uma determinada função, isto é, eles existem com o intuito de servir um objectivo específico muitas vezes relacionado com defesa ou afastamento de um determinado estímulo que assusta o cão ou do qual ele pretende manter uma certa distância. Como tal, o cão que exibe comportamentos agressivos não é, nem nunca irá ser um cão mau.

“O meu cão é dominante porque é agressivo” 

Dominância é uma meme, isto é, uma ideia que passa de pessoa para pessoa ao longo do tempo mas que não tem relação nenhuma com a ciência. O conceito do cão dominante é um completamente ultrapassado. Muitas pessoas associam a exibição de comportamentos agressivos com a ideia de dominância. Como já dissemos antes em relação à agressão, esta é entendida como um conjunto de comportamentos e não uma característica da personalidade, como tal nunca poderíamos afirmar que o cão é agressivo e consequentemente dominante. Dominância, etologicamente falando também não é uma característica da personalidade, mas sim uma forma de descrever o relacionamento entre dois ou mais indivíduos da mesma espécie.

“A agressividade do meu cão é genética” 

Os cães não nascem com nenhum gene de agressividade. Características genéticas, determinam coisas como cor do pelo, tamanho, orelhas, cauda e algumas outras características morfológicas. A genética também pode tornar com que alguns comportamentos estejam mais predispostos a serem apresentados do que outros. Mas é apenas uma predisposição que depende dessas variantes e estas últimas estão em ultimo caso dependentes da aprendizagem e experiência à qual o cão é exposto durante a sua vida. Quando colocamos a genética como única responsável pela apresentação de comportamentos agressivos, estamos a dizer que não existe nada a fazer. Em último caso, sabemos que a modificação de comportamentos agressivos é, não só possível, como aconselhada.

“O meu cão é agressivo como tal tem um problema comportamental” 

Nem sempre a exibição de comportamentos agressivos se prende unicamente com factores comportamentais. Muitas pessoas não estão cientes de que existem inúmeros problemas médicos que podem estar na origem da exibição de comportamentos agressivos. Doenças como epilepsia, problemas na tiroide, problemas neurológicos ou hipotiroidismo são algumas das doenças que têm como sintomas a exibição de comportamentos agressivos. Fazer exames médicos completos e muitos minuciosos quando um cão começa a apresentar comportamentos agressivos é uma das mais importantes acções a tomar para evitar que estejamos a tratar algo que não foi devidamente identificado.


Aqui ficam alguns dos mitos mais comuns ao desmistificar estes espero que as pessoas entendam melhor os seus cães e os seus comportamentos e consigam dessa forma ajudá-los de forma mais eficaz. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

NÃO QUEIRA UM CÃO DE GUARDA Por Claudia Estanislau

Estimulação Mental com a Amanda