Interacções entre cães, devo intervir ou não? - Parte I

Este é o 1º de dois artigos que se debruçam sobre se devemos intervir, como e quando nas interacções entre os cães.

ESTÃO SÓ A BRINCAR…

Uma das minhas actividades favoritas inclui observar cães. Se estiver na presença de cães, posso passar muito tempo simplesmente a observa-los, ver a sua linguagem, a forma como interagem, a dinâmica e fluência dos seus relacionamentos, como a personalidade de cada um se demonstra nas variadas interacções. Nunca é demais observar os cães e a forma como interagem, aprende-se sempre muito através dessa observação passiva, mas a questão surge, deveremos intervir quando dois cães interagem um com o outro? E se sim quando? E porquê?

A resposta é sim.

Existe lugar para uma intervenção activa e essas intervenções podem ser cruciais a muitos níveis, ao intervirmos na altura correcta e da forma adequada, podemos evitar problemas imediatos, o desenvolvimento de problemas futuros e ao mesmo tempo promover e ensinar interacções saudáveis.

Interacções Inadequadas

Existe um balanço entre nunca intervir e deixar que os cães “se entendam entre eles” e ser interventivo demais e não permitir que as interacções fluam. Nenhum dos extremos é útil porque é importante que os cães aprendam a relacionar-se uns como os outros e isso consegue-se sem interferências constantes, como também é importante que aprendam a fazê-lo de forma saudável e não pratiquem comportamentos inadequados e isso consegue-se através duma intervenção activa da nossa parte.

Esse balanço de que falo, não é adquirido de um dia para o outro e exige capacidades e experiência que são ainda mais importante quando falamos de interacções entre cães adolescentes ou adultos que já tenham manifestado comportamentos inadequados ou cujos relacionamentos com outros cães pareçam originar em problemas. Este tipo de situações deve ser gerida e supervisionada pelos donos com a ajuda constante de um profissional – treinador positivo especialista em comportamento canino – que detenha
um conhecimento e experiência aprofundada.

Mas quando falamos de cachorros os donos devem saber quando e como intervir principalmente porque os cachorros estão extremamente susceptiveis a aprender e é muito importante que a intervenção seja adequada.

O meu cachorro é tão sociável!

Falemos daqueles cachorros que são tão sociáveis, tão sociáveis que todos os outros cachorros fogem quando os vêem chegar. O dono não entende porque é que outros cães fogem do seu cachorro. Afinal de contas “ele só quer brincar” ou “só quer dizer olá”.
Não é no gostar de interagir muito com outros cães que reside o problema, mas sim na forma como essa interacção acontece.

Se um dos cães quer brincar a maioria das pessoas não entende porque é que o outro não quer. Comportamentos normais dos cães são muitas vezes criticados pelos donos e os cães que não querem interagir são vistos como pouco sociáveis, solitários e até mesmo muitas vezes problemáticos.

Já imaginou se o obrigassem a interagir e gostar de todas as pessoas com quem se cruza?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

NÃO QUEIRA UM CÃO DE GUARDA Por Claudia Estanislau

5 mitos do cão "agressivo"

Estimulação Mental com a Amanda